Reconstruindo os Fundamentos

6 - junho, 2010
Extraído do site da Igreja Batista de Vila Mariana:
Muitas pessoas nos dias atuais, crentes ou não, vêem o sistema chamado religião com grande suspeita. Com isso quero dizer que estes gostam mais de uma “espiritualidade transcendental”, criando para si deuses de sua própria experiência; eles enxergam a religião como uma imposição de credos e conjuntos de dogmas, juntamente com códigos morais das expectativas divinas. Por isso, resistimos quando nos dizem no que crer e como viver – até mesmo quando é Deus quem fala através do que chamamos teologia. Precisamos reconstruir os fundamentos da nossa fé.
No entanto, Paulo nos chama “à unidade da fé”, não a uma “experiência de fé”, mas a fé no “conhecimento do Filho de Deus”. É isso precisamente o que se propõe à teologia, a construção do corpo de Cristo na fé e no conhecimento do Filho de Deus. Sem isso, a igreja não sobrevive. No momento estamos sendo lançados de um lado para o outro a cada novo ensinamento de movimento de sinais e maravilhas, e modismos de psicologia popular e cruzadas políticas; desde visões estranhas e predições da segunda vinda de Cristo até pontos de vista extraordinariamente não ortodoxos quanto à salvação.
É preciso entender de uma vez por todas, que sem uma estrutura teológica sólida (Bíblica), qualquer coisa que construamos será acidental, e, como a casa da parábola do Senhor, erguida sobre a areia do capricho pessoal e do modismo social. O que permanecerá não são os nossos castelos de areia, por mais impressionantes segundo os padrões do mundo que eles sejam, mas sim a verdade teológica contida na Bíblia. É tempo para o crente que leva a Bíblia a sério, considerar o que a Bíblia diz ser sério, com igual seriedade; e a Bíblia leva a teologia muito a sério.
Os líderes de igreja não são dados para construir igrejas maiores com uma série de programas impressionantes e “celebrações” empolgantes, mas “com vistas ao aperfeiçoamento dos santos, para o desempenho do seu serviço, para edificação do corpo de Cristo . . . para que não sejamos meninos, agitados de um lado para o outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (Ef 4.12-14). Somos preparados para o aperfeiçoamento dos santos, onde o corpo é edificado, não para chamados superficiais ou experiências que transcendem o ensino sagrado da Bíblia, que na verdade, servem para autenticar atitudes, no mínimo, suspeitas quanto às suas intenções. Lembremos que sem teologia sadia, não existe igreja sadia, que a experiência na Bíblia nunca se sobrepõe ao ensino bíblico, mas esta se amolda aos ensinos inspirados por Deus.
Post Tenebrax Lux

Pr. Carlos Artur

Anúncios

Ortodoxia generosa ou desastrosa?

18 - abril, 2010

“Jesus não tinha uma declaração de fé”
– do site
emergent us

A nova moda entre as igrejas que mais bombam nesse Brasil é jogar a declaração de fé no lixo. Uma igreja leve e pós-moderna que não ousa se colocar entre as ovelhas e Cristo. Quanto menos governo, regras e normas melhor. Vamos limpar o terreiro e dançar ao som da ortodoxia generosa.

Primeiro removeram a reverência. Depois a pontualidade e a fidelidade nas ordenanças. Ceia? Pra quê? Batismo? Blargh! Ir no culto ao domingo? Que importa? Deus está em todo lugar não é mesmo? Por que não se importaria de ficar ao meu lado enquanto assisto o Esporte Espetacular estirado no sofazão?

Assembléias, dízimos, serviço na igreja, escola domincal. Tudo para debaixo do tapete. Ouvi de um pastor da Teologia Batista da Libertação ao questioná-lo sobre a assiduidade dominical: “Vá viver a vida”. Deveriam colher um depoimento dele e colocar em uma das novelas do Manoel Carlos.

Nossas igrejas resumiram-se a um show musical finalizado por uma grande palestra motivacional realizada por um pregador celebridade Gospel. Agora removeram o último bastião que separa os cristãos protestantes do resto da maçaroca religiosa que se diz cristã. Sim, a declaração de fé!

Pois os emergentes americanos não perderam tempo e a retiraram de campo. Nós tupiniquins ignorantes que pousamos de latino-americanos revolucionários papagaiamos as idéias deles e as pioramos quando temos algum espaço e criatividade. Várias comunidades (famosas ou não) removeram a “declaração de fé” por a acharem inadequada, opressora e invasiva.

Talvez eles tenham que se entender com o Novo Testamento. A igreja primitiva não se cansava de se reunir para estabelecer regras e procedimentos para viver melhor e cumprir a sua missão (leia o livro de Atos). Paulo lista requisitos indispensáveis para os líderes nas cartas pastorais (Timóteo, Tito) e também o que fazer com cristãos não-ortodoxos (I Coríntios 5). Critérios de exclusão da comunidade dos salvos foram deixados claros e cristalinos por Jesus em Mateus 18.

Justo esse que os emergentes dizem que não tinha declaração de fé!

Talvez eles não queiram mesmo se entender com a Bíblia. Os argumentos da Palavra e a voz do Espírito já estão muito empoeirados debaixo de tanta Filosofia, Psicologia e Sociologia. Talvez haja esperança, talvez seja perda de tempo. Eles há muito tempo deixaram de seguir as Escrituras como única e suficiente fonte para o ensino e a disciplina. Estão todos na mesma lama: neo-pentecostais universais, pentecostais do horário nobre comprado, betesdenses-globais e batistas-psico-sociólogos.

Espécies que habitam uma arca de Noé inversa na qual quem embarca uma hora naufragará.


Porque acredito na igreja (Efésios responde)

19 - março, 2010

“a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo (Efésios 1:12)”

Já manifestei diversas críticas a como algumas decisões e atos ocorrem na igreja. Sem dúvida algumas vezes o Corpo de Cristo é mal tratado isso quando não é vilipendiado, saqueado e usurpado.

Esses tristes fatos não me dão o direito de questionar a igreja ou desqualificá-la como agente de Deus nesse mundo.

“A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor, pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele (Efésios 3:8).”

O mistério de Deus chamado Igreja é o único agente de Deus que pode trazer sua sabedoria ao mundo. Eliminá-la dos planos de Deus é riscar a sua sabedoria do mapa.

Pessoas cansadas e maltratadas no ambiente da igreja tem a apedrejado. Pastores da moda descolados ou não do alto de seus púlpitos gritam aos quatro cantos que a igreja deve renascer sobre um novo paradigma. Sob uma nova égide de total inclusão e permissividade os líderes emergentes prometem um renovo (não do Senhor) que permite uma nova organização dos seguidores de Jesus.

Esse não parece ser o paradigma de Efésios:

“Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus,edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular;no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito. (Efésios 2:19-22)”

Se “estrangeiro”, “santuário” e “peregrino” indicam uma clara separação entre alguns e outros gostaria de entender porque a necessidade de tanta afirmação de inclusividade total. Crescer sobre uma base (Cristo) e ajustando-se a uma estrutura (edificar) não parecem relatar a idéia de “igreja mínima”, do liberou geral!

Engraçado que os pastores emergentes tupiniquins são esquerditas e estatizantes na sua política mas neoliberais-privatizantes na sua Eclesiologia. Esse infelizmente é o espírito da época que precisa abraçar e ser aceito por tudo e todos.  É assim que pensa essa gente do “contra tudo que está aí” jogando o ensino dos apóstolos do Novo Testamento no lixo. Ouvi esses dias pastor batista famoso dizendo que não gosta de igreja nem de crente.

Felizmente Deus através das Escrituras manifesta-se de forma oposta. Devemos ser gratos e honrados por ter sido escolhidos pelo Pai para fazer parte de sua eleição. É dentro e não fora da igreja que seremos transformados em justiça e santidade. Será no fundamento dos apóstolos que a igreja cumprirá a sua real e única vocação: glorificar o Pai.

Sendo assim, temos duas opções dadas por Efésios 4:

A primeira:

“Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.”
Ou a segunda:
“Isto, portanto, digo e no Senhor testifico que não mais andeis como também andam os gentios, na vaidade dos seus próprios pensamentos”

Quando pisamos na bola

16 - março, 2010

“O ódio excita contendas mas o amor cobre todas as transgressões (Provérbios 10:12)”

Amor e misericórdia formam um binômio interessante. Andam lado a lado. Quando erramos, Ele é fiel e justo para nos perdoar (I João 1:9).

Nosso alvo deve ser Cristo e obedecer a sua palavra. Ainda não somos perfeitos e deslizes podem acontecer. Quando tudo mais falhar o amor do justo encobre as trangressões.

Senão fosse assim onde estaríamos agora?


Deus faz piada da sabedoria humana

25 - janeiro, 2010

Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria o entendimento dos entendidos. Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o questionador deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? (I Coríntios 1:18-20)

É possível conciliar o conhecimento humano e a sabedoria de Deus expressa nas escrituras? Como perguntaria um filósofo: O que tem Atenas a ver com Jerusalém?

Podemos olhar para a Bíblia com os olhos de quem lê a Veja e a Super Interessante? Um PHD pode apenas com seu labor entender a mensagem da salvação contida nas escrituras? O mais eminente sábio da Sorbonne consegue descobrir verdades a cerca das relações humanas e Deus a partir da Psicologia, Filosofia e Sociologia?

Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo (I Coríntios 2:12-16).

A resposta é não. Toda sabedoria do mundo não é suficiente para convencer da verdade e do juízo. Somente aqueles que tem o Espírito de Deus conhecem a sabedoria de Deus. -sofia ou -logia nenhuma pode levar alguém a conhecer a Deus. A sabedoria divina é acessível a todos que tem acesso ao Espírito… incluindo os humildes e os ignorantes e os que tem mestrado e doutorado em coisa alguma.

A humildade é condição sem concessão ao Reino de Deus. Do iletrado ao estudioso, assalariado ou zilhardário. Há miseráveis de espírito e conta bancária. Alguns poucos ricos nas finanças e no galardão divino. A diferença? No pensar e no agir… Sempre para Cristo, sempre para a sua glória.

Os bem-aventurados tem a mente de Cristo, continuará você a acreditar na Veja?


Conhecer a Deus: a chave para o sucesso

16 - janeiro, 2010

Ah, chavões e frases de efeito. Gostamos muito de frases e soluções prontas:

  • Cinco passos para…
  • Seja/faça (o que você quiser) em 40 dias.
  • Como (fazer/ter/ser algo bom) sem (o preço ou ônus).
  • A chave do sucesso para…
  • (algo que você quer mudar) de alta-performance.

Apresento agora a solução definitiva para conhecer mais a Deus. Sem auto-ajuda ou receitas de bolo batidas (trocadilho). Só texto bíblico inspirado por Deus, método fora de moda nesses dias descolados…

Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós (I João 1:6-8).

Vou-lhe contar algo que os olhos já não podem ver: se quer conhecer mais a Deus é importante saber exatamente QUEM VOCÊ É: um pecador miserável que carece de Deus. Isso mesmo! Você não é nada e está condenado a viver para sempre de forma miserável. Você sozinho não pode agradar a Deus mesmo que tente até transpirar sangue. Torço para que perceba isso o quanto antes.

Se você já sabe disso, está apto a conhecer a Deus.

Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo;e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro (I João 2:1-2).

Essa é a boa notícia. Na verdade a melhor que foi contada nos últimos 2000 anos. Jesus Cristo morreu por todos os miseráveis pecadores (eu e você) e não temos mais culpa.  O que João quis carinhosamente explicar foi que ao conhecer mais a Deus há a triste possibilidade de ainda pecar. Devemos lembrar QUEM Jesus É e o que ELE fez por nós.

Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou (I João 2:4-6).

Infelizmente nesses dias maus seremos facilmente enganados a pensar que Jesus não é suficiente e que existe mais coisas debaixo do céu e da terra do que foi revelado na Bíblia. Sejam os problemas da vida ou os enganos de nossa era pós-moderna tudo nos empurrará para o descrédito e o ceticismo. Perceberemos o inevitável: a vida é feia, feita por gente feia que só quer ganhar dinheiro.

Nessas horas sombrias precisamos voltar e lembrar da PALAVRA. Lembrarmos de como Jesus e os apóstolos viveram. Respirar e transpirar os ensinos e princípios bíblicos. Isso é guardar os mandamentos de Jesus. Coisas  que vão além da Escola Dominical e do púlpito de todo santo domingo.

Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente (I João 2:14-17).

Voltando às frases de efeito a chave para o sucesso é PERMANECER. Lembrar que tudo é passageiro. As ambições e os desejos carnais. O esportivo vermelho rasgando o vento; o olhar da coisa mais linda que vem e que passa num balançado que é mais que um poema; o seu time no centenário ganhando o torneio continental.

Todas essas coisas passam. Deus e sua palavra permanecem. Ele convida os seus a PERMANECEREM.


O reino, o sal e a luz – de que lado você está?

8 - novembro, 2009

Sal pimenta bailarinos

Por que logo depois que Jesus expôs as bem-aventuranças ele falou que deveríamos ser sal e luz do mundo para que nossas boas obras aparecessem e o Pai fosse glorificado?

Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte;
nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa.
Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. (Mateus 5:13-15)

Exige-se daqueles que querem pertencer ao Reino de Deus critérios mínimos aos quais chamamos de bem-aventuranças.  As bem-aventuranças não são um tratado ético ou uma utopia de estilo de vida porque essas coisas são um fim em si mesmo e não visam glorificar a Deus.

As bem-aventuranças são a expectativa que o Rei Jesus tem do seus súditos. Uma descrição apropriada do cidadão do reino que é subordinado ao Senhorio de Deus. O que Israel deveria ter sido durante a sua história e a hipocrisia do seu coração não deixou (Isaias 29:12)

E quanto a nós? O quanto o nosso coração está perto de Deus?

O apóstolo Pedro nos disse algo a respeito dos cristãos, ou seja, daqueles que crêem em Cristo e se submetem ao seu senhorio por meio da sua palavra:

Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes, A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular e: Pedra de tropeço e rocha de ofensa. São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos.
Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;
vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia (I Pedro 2:7-12).

Nós cristãos também fomos chamados ao Reino para ser luz e glorificar a Deus. Ninguém consegue ser neutro ou indiferente  em relação a Deus e sua palavra. Você pode obedecê-la ou ignorá-la e tropeçar. Ser sal e luz,ou um inútil para ser “pisado pelos homens”.

Os bem-aventurados devem ser sal e luz do mundo. Não são neutros e insípidos. Não ficam na penumbra da história se escondendo do seu chamado. Pessoas que pertencem genuinamente ao Reino não podem (ou conseguem?) se esconder. São luz no meio do breu que iluminam as trevas. Gente que é sal da terra e não perde o sabor porque obedece ao Rei esperando o seu consolo e justiça.

Insosso ou salgado. Sombras ou luz? De que lado você está?