Sobre Avatar, a cultura ocidental e o Outro

2 - abril, 2010

Do blog do JP Coutinho:

Avatar é isso: uma mistura de Pocahontas, Dança com Lobos e O Último Samurai, servido em formato 3D. E, sendo isso, não se distingue do primarismo que habita esse tipo de filme: o primarismo de olhar para culturas distintas como intrinsecamente superiores à cultura branca, ocidental e, de preferência, judaico-cristã.
Avatar é um filme sobre a culpa; o sentimento de culpa que assola as consciências progressistas; sobre “o fardo do homem branco” que ele, coitado, carrega há gerações para expiação dos seus pecados “imperialistas”. E dos pecados dos seus pais, de seus avós, e bisavós, e trisavós…
O que está ausente dessa visão é a ideia simplória de que a cultura branca, ocidental e judaico-cristã, apesar dos seus erros históricos (que os houve), também foi capaz de produzir uma civilização que garante ainda um espaço de liberdade, humanidade e decência que, muitas vezes, está ausente dessas culturas “intocadas”. Culturas onde a arbitrariedade do poder tribal; a violência física sobre os mais fracos; o animismo pré-científico; e até a mera bruxaria terapêutica não deveriam inspirar respeito. Só repulsa.
Um jornalista agnóstico às vezes consegue ser mais lúcido (ou menos louco) que muito pastor evangélico agnóstico.
Anúncios