10 passos para o ateísmo evangélico

11 - março, 2010
  1. Como os gregos e etruscos questione tudo filosoficamente e coloque as Escrituras contra a parede.
  2. Mande o sobrenatural para o espaço: aplique a interpretação (pseudo) científica da Bíblia.
  3. Comece agora com a Escatologia carpe diem:  “Jesus já voltou! Você não viu?”
  4. Questionar é viver! Jogue tudo às favas:  a Igreja, sua história e as doutrinas.
  5. Checklist liberal: você ainda acredita no Deus soberano e poderoso?
  6. Oração: descubra essa nova e definitiva abordagem que  funciona (comigo pelo menos).
  7. A metodologia Zeca Pagodinho de pastoreio e aconselhamento: “Deixa a vida me levar, vida leva eu”.
  8. Universalismo e Aniquilacionismo: a sua comunidade ainda abraçará essas idéias.
  9. Espiritualidade: seja cool.
  10. Viva a utopia agnóstica.

Você se cansou dos estudos bíblicos comuns e das pregações enfadonhas do pastor? Acha que a sua igreja está atrasada no tempo? Quer um cristianismo mais antenado e multi-facetado?

Prepare o seu estômago e siga os passos dessa nova série para tornar a doutrina e prática da sua igreja mais parecida com o que há de mais revolucionário e humanista. Será uma experiência liberal, pós-evangélica, missional, poética e principalmente muito da chique e metida à Besta!

Não vai ter muito de Bíblia mas quem liga pra isso nos dias de hoje? O ateísmo evangélico vai de “F“reud a “N“ietzsche, de “B“arth a “R“ogers. No meio das iniciais de tantos autores humanistas você vai encontrar um “j” de Jesus pra justificar a parte evangélica desse novo jeito de ser [ateu] cristão.

Para achar Jesus no glossário ateu-evangélico será um pouco difícil! Estará oculto debaixo do “J” de Jung!

Anúncios

Deus faz piada da sabedoria humana

25 - janeiro, 2010

Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria o entendimento dos entendidos. Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o questionador deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? (I Coríntios 1:18-20)

É possível conciliar o conhecimento humano e a sabedoria de Deus expressa nas escrituras? Como perguntaria um filósofo: O que tem Atenas a ver com Jerusalém?

Podemos olhar para a Bíblia com os olhos de quem lê a Veja e a Super Interessante? Um PHD pode apenas com seu labor entender a mensagem da salvação contida nas escrituras? O mais eminente sábio da Sorbonne consegue descobrir verdades a cerca das relações humanas e Deus a partir da Psicologia, Filosofia e Sociologia?

Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo (I Coríntios 2:12-16).

A resposta é não. Toda sabedoria do mundo não é suficiente para convencer da verdade e do juízo. Somente aqueles que tem o Espírito de Deus conhecem a sabedoria de Deus. -sofia ou -logia nenhuma pode levar alguém a conhecer a Deus. A sabedoria divina é acessível a todos que tem acesso ao Espírito… incluindo os humildes e os ignorantes e os que tem mestrado e doutorado em coisa alguma.

A humildade é condição sem concessão ao Reino de Deus. Do iletrado ao estudioso, assalariado ou zilhardário. Há miseráveis de espírito e conta bancária. Alguns poucos ricos nas finanças e no galardão divino. A diferença? No pensar e no agir… Sempre para Cristo, sempre para a sua glória.

Os bem-aventurados tem a mente de Cristo, continuará você a acreditar na Veja?


Conhecer a Deus: a chave para o sucesso

16 - janeiro, 2010

Ah, chavões e frases de efeito. Gostamos muito de frases e soluções prontas:

  • Cinco passos para…
  • Seja/faça (o que você quiser) em 40 dias.
  • Como (fazer/ter/ser algo bom) sem (o preço ou ônus).
  • A chave do sucesso para…
  • (algo que você quer mudar) de alta-performance.

Apresento agora a solução definitiva para conhecer mais a Deus. Sem auto-ajuda ou receitas de bolo batidas (trocadilho). Só texto bíblico inspirado por Deus, método fora de moda nesses dias descolados…

Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós (I João 1:6-8).

Vou-lhe contar algo que os olhos já não podem ver: se quer conhecer mais a Deus é importante saber exatamente QUEM VOCÊ É: um pecador miserável que carece de Deus. Isso mesmo! Você não é nada e está condenado a viver para sempre de forma miserável. Você sozinho não pode agradar a Deus mesmo que tente até transpirar sangue. Torço para que perceba isso o quanto antes.

Se você já sabe disso, está apto a conhecer a Deus.

Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo;e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro (I João 2:1-2).

Essa é a boa notícia. Na verdade a melhor que foi contada nos últimos 2000 anos. Jesus Cristo morreu por todos os miseráveis pecadores (eu e você) e não temos mais culpa.  O que João quis carinhosamente explicar foi que ao conhecer mais a Deus há a triste possibilidade de ainda pecar. Devemos lembrar QUEM Jesus É e o que ELE fez por nós.

Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou (I João 2:4-6).

Infelizmente nesses dias maus seremos facilmente enganados a pensar que Jesus não é suficiente e que existe mais coisas debaixo do céu e da terra do que foi revelado na Bíblia. Sejam os problemas da vida ou os enganos de nossa era pós-moderna tudo nos empurrará para o descrédito e o ceticismo. Perceberemos o inevitável: a vida é feia, feita por gente feia que só quer ganhar dinheiro.

Nessas horas sombrias precisamos voltar e lembrar da PALAVRA. Lembrarmos de como Jesus e os apóstolos viveram. Respirar e transpirar os ensinos e princípios bíblicos. Isso é guardar os mandamentos de Jesus. Coisas  que vão além da Escola Dominical e do púlpito de todo santo domingo.

Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente (I João 2:14-17).

Voltando às frases de efeito a chave para o sucesso é PERMANECER. Lembrar que tudo é passageiro. As ambições e os desejos carnais. O esportivo vermelho rasgando o vento; o olhar da coisa mais linda que vem e que passa num balançado que é mais que um poema; o seu time no centenário ganhando o torneio continental.

Todas essas coisas passam. Deus e sua palavra permanecem. Ele convida os seus a PERMANECEREM.


Cristianismo com algo a mais

19 - maio, 2009

Sem graça porém engraçado. Ou ao menos curioso.
Fé com virtude, mas sem conhecimento na Palavra.
Fé em quem mesmo? Ah, Deus… Todo Poderoso?
Não mais, já dizem que ele é fraquinho, maltrapilho, generoso.

Outro Cristianismo!

Cristianismo sempre com algo a mais.
Com relacionamento, com envolvimento.
Cristianismo com psicologia, com sociologia.
Com crítica histórica, com muita fé.

Em quem mesmo? No homem.

Porque Cristianismo só com Cristo não é relevante,
empolgante, contagiante, fascinante.
Não é contundente, envolvente…

Tristemente emergente.

E sem graça mesmo.


O Deus que vira a mesa (Romanos 11)

10 - maio, 2009

“Porque não quero irmãos que ignoreis este mistério…”

Hoje não é mais conveniente falar em Deus poderoso e atuante entre os evangélicos descolados. Para eles cheira a Teologia da Prosperidade, pentecostalismo barato e charlatanismo. Deus Todo Poderoso é colocado de lado como uma forma de convocar os homens a fazer o trabalho de Deus. 

Faz sentido. Afinal Deus já fez tudo que tinha que fazer certo? Efésios 1:3 diz que já temos todas as bênçãos celestiais e agora a bola é toda nossa. Compete a nós, cristãos abrir o jogo, driblar o zagueiro, descer para a área e fuzilar o goleiro. Podemos ter até um nome bonito para essa doutrina: Teologia Relacional. 

Uma leitura mais cuidadosa do capítulo 11 de Romanos diz que não é bem assim que a história termina. Deus ainda tem um projeto inacabado com Israel. Dado que deles são as alianças e essas ainda não foram cumpridas (se acha que foi, cabe a você o ônus da prova),  Deus restaurará Israel quando chegar a plenitude dos gentios.

Um absurdo sem dúvida. Deus escolhe um povo para representá-lo. Esse povo falha. Deus varre a nação de Israel do mapa (mas não o povo) e mais ainda, os endurece para que um outro povo (nós) que não foi escolhido alcance a sua misericórdia. 

E depois Deus ainda vai pegar esse povo desobediente, desprezado, cegado por Ele mesmo para restaurá-lo? Vai virar a mesa da história apenas para cumprir uma Aliança antiga? Não faz o mínimo sentido. Talvez essa Aliança tenha caducado (discuta com Gênesis 15), ou ainda, nós somos o cumprimento dessa Aliança…

Então brigue com Paulo e rasgue o capítulo 9, 10 e 11 de Romanos que faz uma distinção de tratamento entre nós e Israel. Por ser tão controverso alguns pastores ignoram o ensino desses textos. Talvez seja necessário também ignorar Jeremias 31, II Samuel 7 e ainda rasgar (ou espiritualizar com hermenêuticas duvidosas) Isaías e Ezequiel. Deste último livro, tire todas as passagens que dizem “e você saberá que eu sou o SENHOR”.

Talvez seja isso mesmo, queremos jogar sozinhos ignorando quem é o SENHOR. A decisão é sua: escolher viver glorificando e temendo (11:20) a Deus ou crer num deus relacional, uma vidinha bonita quase agnóstica.

“Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!”


A maldição da fé genérica

1 - novembro, 2008

O apóstolo Paulo em sua carta à igreja de Roma deixa claro que a justificação é pela fé. Por justificação entenda-se permanecer justo perante Deus. Não existe nenhum outro artifício para isso. Nada de religião, caridade ou hereditariedade. É somente e tão somente a fé.

Se a questão central é a fé, precisamos então defini-la. E grande é o problema.

Nossa geração é razoavelmente burra em definições. Graças às psicologias, filosofias, sociologias e outras “-logias” as palavras perderam a sua definição. Os barbudinhos das ciências humanas gostam de resignificar, analisar e buscar definições mais profundas. Para piorar a situação, os pensadores cristãos pós-modernos compraram as idéias dos “logismos” e decidiram trocar o significado da fé bíblica pela maldita fé genérica.

Não vou tentar buscar um significado bíblico definitivo para a fé. Existe gente muito mais competente fazendo isso. Teólogos sérios com vidas dedicadas servindo a Cristo, deixo para eles.

O que tento fazer sem muito sucesso é imitá-los. Esses por sua vez tentam imitar outros, começando por Abraão, Moisés, Raabe, Elias, Paulo, TImóteo. Homens tão falíveis quanto nós mas que viveram a fé.

O caminho da fé genérica de nossos dias passa pela crença no imponderável, superstição, mandingas e incoerência.

A fé suada e vivida é uma decisão, que resulta numa ação. Continuar a caminhada de fé é um exercício de perseverança. A nossa motivação é a esperança em Cristo Jesus que nos dá paz e alegria.