Repeteco – mas como filhos dessa dama

2 - janeiro, 2010

Um ano depois o filme do filho da p…átria está pronto:

Um post do ano passado sobre o longa lulesco:

Nosso amado presidente  Luis Fala Fácil da Silva vai virar filme. Comédia, tragédia, romance, aventura, ação? Porno-chanchada?

http://cinema.cineclick.uol.com.br/noticias/index.php?id_noticia=21651

Nunca na história desse país babaram tanto ovo sobre um presidente. Lula pode dar um fora como no caso “sifu”, pode ser pego de calças na mão no caso do mensalão ou ainda ser filmado falando um baita de um palavrão. Nada cola no ilustríssimo companheiro. Por quê?

Porque no fundo gostamos de Lula. Ele nos representa como ninguém.  Bebe demais? Todos bebem e até dirigem assim. Mente descaradamente ao falar que “não sabia de nada”? Ah, quem não conta uma mentirinha de vez em quando… Não estudou mais do que a quarta série? Essa coisa de estudo não leva a nada, quem é bom mostra a que veio na hora H!

É assim que nós brasileiros pensamos. Não estou falando de inconsciente coletivo ou arquétipo cultural (acho isso uma grande besteira), mas sim de que o nosso povo é bem ruizinho mesmo.

Concordo com o título do filme: “Lula, o Filho do Brasil”. Ele realmente é o filho mais ilustre deste país. Tem a nossa cara de brasileiros João sem braço. A mãe de Lula não é a ótima atriz Glória Pires (Xícaras?) como no filme, mas a pátria-mãe brasileira. É como aquela música do Ultraje a Rigor:

“Mas como filhos dessa dama, que você sabe como se chama …”

Anúncios

O espírito do nojo

12 - setembro, 2009

Tentei assistir com um ano de atraso o filme Zeitgeist. Vá no Google Videos e procure por ele. Será fácil achar uma versão com legendas em português.

Zeitgeist é o termo alemão para “espírito da época”. Como eu me recuso a estudar e explicar Filosofia e Sociologia por ser pura perda de tempo veja aqui uma explicação esdrúxula e mais que suficiente no Wikipedia.

Zeitgeist é o que a igreja emergente tem usado como mote para mudar os seus procedimentos e jogar a hermenêutica bíblica e a suficiência das escrituras no lixo. Eles advogam por uma nova igreja livre das instituições, da religião e de qualquer amarra filosófica.

De forma contraditória querem também se alimentar de “filosofia e ciência” de nossa era como nesse post emergente:

Mudemos nossa mensagem:

“ Esta geração merece receber os melhores e mais sublimes pensamentos de nossos tempos quanto aos temas grandiosos da vida religiosa, filosófica e científica” .

Bom, provavelmente você se pergunta qual a relação de todo esse imbróglio com o filme Zeitgeist. Pois bem, o argumento do filme é basicamente refutar a fé cristã e a existência de Jesus Cristo aqui na Terra. Mais que isso, eles atribuem ao Cristianismo todo o mal da humanidade (inclusive a recente guerra contra o terrorismo e o 11 de setembro).

Se você gosta de ver o nome de Deus sendo jogado na latrina através de pseudo-ciência, pesquisa baseada em astrologia (com letra minúscula mesmo) e diversos fatos históricos deturpados, esse filme é para você. Não sei como cristãos conseguiriam recomendar e gostar desse filme…

Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Corromperam-se e cometeram abominável iniqüidade; não há quem faça o bem. (Salmo 53:1)

Eu fiquei com nojo e parei no meio do filme. Conseguia ouvir Romanos 1 e o Salmo 53 ecoando na minha mente com profunda indignação e tristeza.

Mais triste ainda é que existem cristãos (?!) batendo palma pra essa gente, ou ainda pior, tentando responder alguma coisa a essas pessoas quando eles não precisam de respostas (Mateus 21:27) mas de misericórdia de Deus e arrependimento de seus pecados. Zeitgeist (o pensamento mais que o filme) é um mal que invade as igrejas descoladas de São Paulo, sejam batistas modernosos, assembleianos, betesdenses, americanos recalcados, gente de toda tribo, língua e denominação!


Mas como filhos dessa dama

18 - dezembro, 2008

Nosso amado presidente  Luis Fala Fácil da Silva vai virar filme. Comédia, tragédia, romance, aventura, ação? Porno-chanchada?

http://cinema.cineclick.uol.com.br/noticias/index.php?id_noticia=21651

Nunca na história desse país babaram tanto ovo sobre um presidente. Lula pode dar um fora como no caso “sifu”, pode ser pego de calças na mão no caso do mensalão ou ainda ser filmado falando um baita de um palavrão. Nada cola no ilustríssimo companheiro. Por quê?

Porque no fundo gostamos de Lula. Ele nos representa como ninguém.  Bebe demais? Todos bebem e até dirigem assim. Mente descaradamente ao falar que “não sabia de nada”? Ah, quem não conta uma mentirinha de vez em quando… Não estudou mais do que a quarta série? Essa coisa de estudo não leva a nada, quem é bom mostra a que veio na hora H!

É assim que nós brasileiros pensamos. Não estou falando de inconsciente coletivo ou arquétipo cultural (acho isso uma grande besteira), mas sim de que o nosso povo é bem ruizinho mesmo.

Concordo com o título do filme: “Lula, o Filho do Brasil”. Ele realmente é o filho mais ilustre deste país. Tem a nossa cara de brasileiros João sem braço. A mãe de Lula não é a ótima atriz Glória Pires (Xícaras?) como no filme, mas a pátria-mãe brasileira. É como aquela música do Ultraje a Rigor:

“Mas como filhos dessa dama, que você sabe como se chama …”